sexta-feira, 25 de setembro de 2015

Como gerenciar as partes interessadas dentro da Metodologia PRINCE2® - Parte II

Em meu último post iniciei a discussão sobre como gerenciar as partes interessadas, se voce não leu, recomendo que clique aqui e após a leitura, leia o post a seguir.


Como gerenciar as partes interessadas dentro da Metodologia PRINCE2® -  Parte II



Comitê Diretor do Projeto

O Comitê Diretor é composto pelo Executivo, Usuários Principais e Fornecedores Principais. É uma peça-chave na estrutura do projeto. Pelo alto nível de responsabilidade, deve ser composto por profissionais seniores e com relevância na organização. A figura 4.3 ilustra a composição do Comitê Diretor e seus membros.

O nível de comunicação com este grupo precisa ser definido na “Estratégia de Gerenciamento da Comunicação” com o intuito de garantir a frequência e o detalhe suficiente, normalmente maior no início do projeto.


As principais responsabilidades do Comitê Diretor são:

  • Ser diretamente responsável pelo sucesso ou falha do projeto; Direcionar o projeto de maneira unificada;
  • Delegar com eficiência; 
  • Facilitar a integração entre equipe de projeto, unidades corporativas e/ou externas; 
  • Administrar recursos e fundos; 
  • Assegurar a tomada de decisão eficaz; 
  • Fornecer apoio ao Gerente do Projeto; 
  • Assegurar a comunicação eficaz da equipe com as partes interessadas.


As principais características de um Comitê com excelente desempenho são:

  • Autoridade;
  • Credibilidade;
  • Delegação;
  • Disponibilidade;

A seguir são detalhados os papéis e responsabilidades de cada elemento do Comitê:

Executivo

O Executivo é o membro do Comitê responsável pelas tomadas de decisão-chave e, em última instância, responsável direto pelo sucesso ou falha do projeto. O Business Case do projeto também é de sua responsabilidade direta.

Este membro do Comitê Diretor precisa garantir que o projeto siga as seguintes diretrizes:
  • Mantenha o foco em alcançar seus objetivos;
  • Entregue produtos que alcancem os benefícios esperados;
  • Gere valor financeiro.


O Executivo é designado durante o processo Starting Up a Project e este papel será único dentro do contexto do projeto.

Normalmente é o Executivo quem designa os demais membros do Comitê Diretor e do restante da equipe de Gerenciamento de Projetos.

Usuário Principal

O Usuário Principal trabalha para especificar necessidades e garantir que todos os requisitos dos usuários estejam atendidos dentro dos produtos entregues pelo projeto considerando o que está estabelecido no Business Case no que se refere à qualidade, funcionalidade e facilidade de uso da solução adotada.

Pode haver mais de um Usuário Principal representando aqueles que usarão os produtos para entregar os benefícios esperados do projeto. Ele ou eles precisam manter a comunicação e o comprometimento entre os demais usuários.

Adicionalmente, o Usuário Principal presta contas à gerência corporativa ou do programa demonstrando que os benefícios especificados pelos usuários, e que serviram de base para aprovação do projeto, foram efetivamente realizados.

Fornecedor Principal

Este terceiro (e último) membro do Comitê Diretor representa os interesses daqueles que realizam os produtos do projeto, sendo diretamente responsável pela qualidade destes produtos e pela integridade técnica do projeto.

Assim como no caso do Usuário Principal, pode haver mais de uma pessoa designada como Fornecedor Principal representando os interesses dos fornecedores dos produtos do projeto.

Após a entrega dos produtos do projeto, os fornecedores podem a vir a manter e suportar estes produtos nas operações do dia-a-dia. Neste caso, o Fornecedor Principal continua representando os interesses do grupo.

Gerente do Projeto

O Gerente do Projeto exerce um papel central na condução de um projeto PRINCE2® e tem sua autoridade delegada pelo Comitê Diretor do Projeto para tomar as decisões necessárias ao dia-a-dia do projeto. Este papel não pode ser compartilhado.

Os processos do PRINCE2® estão sob a responsabilidade do Gerente de Projeto com exceção do processo Directing a Project. Este processo está sob a responsabilidade direta do Comitê Diretor do Projeto porque se refere ao controle geral do projeto.

A atividade de atribuir ao projeto o Executivo e o Gerente de Projeto ocorre dentro do processo Starting Up a Project que também não está sob a responsabilidade do Gerente de Projeto.

Além disso, o Gerente de Projeto delega para os Gerentes de Equipe Especialistas a supervisão do processo Managing Product Delivery.

Dentro do contexto de atuação do Gerente de Projetos estão os seguintes aspectos::
     
  • Gerenciamento de Linha
  • Gerenciamento de Custo
  • Estratégia
  • Mudanças
  • Trabalho em Equipe
  • Comunicação
  • Qualidade
  • Status do Produto
  • Necessidades do Usuário
  • Necessidades de Produto x do Projeto
  • Monitoramento
  • Planejamento


O Gerente do Projeto exerce uma autoridade sobre outros membros da equipe de projeto dentre eles os Gerentes de Equipes Especialistas e o Suporte do Projeto, além de estabelecer o relacionamento com a equipe de Garantia do Projeto e com o Comitê Diretor.

Em alguns projetos pode não existir uma atribuição de um Gerente de Equipes Especialistas e neste caso, o Gerente de Projetos atuará diretamente na gestão destas equipes. Quando o mesmo acontece no papel de Suporte ao Projeto, o Gerente de Projeto pode receber a atribuição das funções de suporte ou compartilhá-las com os membros da equipe.

O Gerente do Projeto não pode acumular qualquer função relacionada à Garantia do Projeto, mas pode acumular a função relacionada à Autoridade de Mudança.

Garantia do Projeto

O papel de Garantia do Projeto tem como objetivo monitorar o desempenho do projeto e dos produtos do projeto de forma que os mesmos atendam as expectativas e o padrão de qualidade estabelecida. Este papel deve permear todos os processos do PRINCE2®.

A garantia do projeto cabe aos membros do Comitê Diretor dentro daquilo que compete a cada grupo de membros (Negócios, Usuários e Fornecedores) dentro de seus respectivos campos de atuação. A responsabilidade é diretamente atribuída a cada membro do Comitê.

É possível a delegação de ações de Garantia do Projeto para outros indivíduos (com exceção do Gerente de Projeto), mas a responsabilidade será sempre dos membros que fizeram a delegação.

A delegação também pode ser feita para outros indivíduos da corporação em função de conhecimentos específicos destes indivíduos como, por exemplo, um Gerente de Qualidade, que poderia ficar responsável por monitorar os aspectos de qualidade do projeto.

É importante destacar que os não membros do Comitê Diretor que estejam alocados no papel de Garantia do Projeto prestem contas ao Comitê no que ser refere às ações de suas respectivas áreas sempre com uma posição independente em relação ao Gerente de Projeto.

Estes indivíduos precisam apoiar o Gerente de Projeto orientando na utilização de padrões corporativos e de recursos apropriados nas diversas atividades do projeto para que se cumpra o objetivo de garantir a qualidade das entregas do projeto.

Autoridade de Mudanças

Este papel estabelece a autoridade para aprovação de mudanças ou não conformidade no projeto. Em princípio este papel é do Comitê Diretor do Projeto, mas conforme o nível de quantidade de mudanças, este papel pode ser delegado para outros indivíduos conforme critérios pré-definidos.

Outro fator que pode motivar a delegação do papel de Autoridade de Mudança é a necessidade de conhecimentos técnicos específicos para se avaliar as mudanças propostas.

Adicionalmente, o Gerente de Projeto ou os indivíduos responsáveis pela Garantia do Projeto podem exercer o papel de Autoridade de Mudanças.

O Comitê Diretor precisa definir, antes do término da fase de Iniciação, se delegará ou não, o papel de Autoridade de Mudanças. Caso a delegação ocorra, ela precisa ser feita por escrito.

Quando se tratar de um Programa, o gerenciamento do programa deverá definir o nível de autoridade do Comitê Diretor do Projeto na aprovação de mudanças.

Através de critérios pré-estabelecidos, como custo, o projeto pode ter uma escala de aprovação para a mudança ou não conformidade. Por exemplo, o Gerente de Projeto poderia aprovar mudanças que tenham um custo estimado menor do que R$ 10.000,00.

Quaisquer critérios que sejam definidos precisam ser estabelecidos previamente na Estratégia de Gerenciamento de Configuração.

O tratamento da mudança será endereçado para os grupos a seguir conforme o grau de severidade variando de mais impactante para menos impactante:

  • Gerência Corporativa ou do Programa
  • Comitê Diretor do Projeto
  • Delegação para uma Autoridade de Mudanças
  • Delegação para o Gerente de Projeto
  • Gerente de Equipe Especialista

Normalmente um projeto possui entregas que precisam de habilidades ou conhecimentos específicos para ser produzidas. O Gerente de Equipe Especialista é o papel daqueles membros da equipe de projetos que possuem a capacidade de assegurar entregas específicas do projeto.

Este papel é subordinado ao Gerente de Projeto e, em alguns casos, pode ser desempenhado pelo próprio GP. Esta decisão precisa levar em conta fatores como tamanho do projeto, habilidades particulares ou conhecimento necessário, localização geográfica de membros da equipe e preferências do Comitê Diretor.

Durante o processo Initiating a Project ou a cada estágio no processo Managing a Stage Boundary, o Gerente de Projeto e o Comitê Diretor precisam decidir como e por quem esse papel será desempenhado.

O trabalho do Gerente de Equipe Especialista será atribuído e desenvolvido de acordo com os pacotes de trabalho previstos no projeto. Os pacotes de trabalho identificam claramente tudo aquilo que deverá ser produzido pelo projeto e consequentemente ajudam no controle do trabalho do Gerente de Equipe Especialista pelo Gerente de Projeto.

Em alguns projetos, o papel de Gerente de Equipe Especialista pode ser atribuído a um membro da organização do fornecedor e esta relação precisa ser claramente definida para evitar eventuais conflitos.

Suporte do Projeto

O Suporte do Projeto geralmente é responsável pelas atividades administrativas do projeto e pelo gerenciamento dos procedimentos e ferramentas de gerenciamento de configuração, de acordo com o que está previsto na Estratégia de Gerenciamento de Configuração, além de eventualmente fornecer funções especialistas como planejamento ou gerenciamento de riscos.

Este papel é de responsabilidade do Gerente do Projeto, mas pode ser delegado total ou parcialmente. Quando delegado, o indivíduo que executa este papel estará subordinado ao Gerente de Projeto.

Em algumas organizações, um Escritório de Projetos pode desempenhar toda ou parte das atividades de suporte ao projeto.

Não se devem misturar os papéis de Suporte do Projeto e Garantia do Projeto para manter a independência deste último.

 Bom, o que resta agora conhecendo e aplicando toda esta estrutura ?

A Estratégia de Gerenciamento da Comunicação

O PRINCE2® estrutura com muita clareza os papéis e responsabilidades na organização de projetos. Entretanto a Comunicação é um item fundamental para garantir a condução de um projeto.

A Estratégia de Gerenciamento da Comunicação descreve os meios, a frequência e fluxo da comunicação com as partes interessadas e como elas serão envolvidas ou notificadas sobre os fatos do projeto.

Durante o processo Initiating a Project, o Gerente do Projeto documenta a estratégia de comunicação mantendo-a revisada e atualizada a cada estágio do projeto, sempre observando se todas as partes interessadas estão devidamente incluídas na estratégia de comunicação.

No contexto de um Programa a comunicação deve ser consistente e integrada nos níveis de comunicação exigida pelo Programa garantindo a fluidez da informação entre os membros de equipe de cada projeto que faz parte do Programa.

Propósito do Gerenciamento da Comunicação

É muito importante entender o objetivo maior da Estratégia de Gerenciamento da Comunicação. Como mencionado anteriormente ela precisa definir como será feita a comunicação entre as partes interessadas tanto no âmbito interno quanto externo.

O estabelecimento de um fluxo de comunicação bidirecional e controlado contribuirá para o maior envolvimento das partes interessadas seja no âmbito de projeto ou programa e como estas informações serão comunicadas

É função do Gerente do Projeto especificar a Estratégia de Gerenciamento da Comunicação, esta especificação é elaborada no processo de Initiating a Project.

É fundamental revisar e atualizar a Estratégia de Gerenciamento da Comunicação ao final de cada estágio, além é claro no estágio final do projeto, garantindo assim que todos os representantes das partes interessadas sejam comunicados do final do projeto.

Caso o projeto faça parte de um programa, a comunicação precisa ser alinhada entre os níveis de gerenciamento do projeto com o gerenciamento do programa, para que não haja incoerência nas informações.

Bom uso !

Se voce quiser aprender mais sobre prince2 , veja meu livro aqui.



Nelson Rosamilha,PMP®,BB®,Prince 2 Practitioner®
rosamilha@gmail.com
Twitter: nelsonrosamilha

sexta-feira, 18 de setembro de 2015

Como gerenciar as partes interessadas dentro da Metodologia PRINCE2® - Parte I


Um dos grandes desafios dos gestores de projetos é gerenciar as expectativas das partes interessadas, entende-se como interessados como os envolvidos no projeto, que podem contribuir para seu sucesso, fracasso ou mesmo estarem neutros.  Muitos de vocês já passaram por diversas situações em que nos sentimos completamente impotentes quando temos que acomodar todos no projeto. É parte do processo na minha opinião juntamente com a liderança do projeto e comunicação efetiva estes 3 pilares são fundamentais para um projeto de sucesso e que devem ser continuamente endereçados.

A pergunta que nos incomoda muito é:

Como responder à estas questões referentes as partes interessadas e atendê-los com sucesso?


Dentro da metodologia PRINCE2® há um tema bem interessante que gostaria de abordar, é o tema Organização, assim como os demais temas do PRINCE2®, busca responder às questões relevantes que vão suportar um melhor desempenho na condução dos projetos. No caso deste tema a questão é: 

“Quem? ”, ou seja, quem serão os envolvidos no projeto, quais serão as pessoas que precisam fazer parte do projeto.


Neste artigo dividido em 2 partes irei abordar este tema.

O propósito deste tema é identificar claramente todas as partes interessadas no projeto e estabelecer uma estrutura organizacional que represente o projeto através do mapeamento de pessoas e das respectivas responsabilidades.

Para que este mapeamento seja eficaz é preciso considerar que todas as áreas estejam representadas: do negócio, dos usuários, dos fornecedores e de quaisquer outros grupos envolvidos.

O PRINCE2® recomenda que para uma gestão adequada, a equipe de gerenciamento do projeto precisa:
      
  • Que as partes interessadas tenham representantes de todas as áreas: negócio, usuários e fornecedores.
  • Assegurar a governança, e estabelecer responsabilidades de forma que não haja sobreposição ou falta de função para o direcionamento e entrega dos produtos do projeto, além de especificar de forma objetiva o resultado alto nível.
  • Rever as atuações no projeto e corrigir as funções para assegurar que as atuações sejam eficientes.
  • Elaborar estratégias para dar visibilidade e velocidade no fluxo de comunicação para criar agilidade nas decisões de todas as partes interessadas no projeto.


O objetivo final do projeto sempre deverá estar alinhado aos interesses das partes interessadas ou stakeholders. É muito importante que as necessidades e os interesses destas partes sejam compreendidos e atendidos para garantir o sucesso do projeto.

O PRINCE2®, suportado pelo princípio “Papéis e Responsabilidades Definidos”, classifica em três principais categorias as partes interessadas no projeto:
  • Negócio
  • Usuários
  • Fornecedores


Do ponto de vista do Negócio, o pré-requisito é garantia de que os produtos entregues pelo projeto estejam aderentes às necessidades da estratégia da organização, justificando o investimento realizado no projeto. Adicionalmente, uma saudável relação custo-benefício também deve ser observada.

Neste contexto, o Executivo tem a responsabilidade de garantir que o projeto atenda às necessidades especificadas pelo negócio.



Na perspectiva dos Usuários, os interesses estão focados na garantia de que os produtos entregues pelo projeto estejam aderentes aos seguintes aspectos:

  • Operação dos resultados gerados pelo projeto e entrega do resultado dos benefícios; 
  • Manutenção e suporte às entregas dos produtos do projeto;
  • Como as entregas do projeto impactam diretamente os usuários.

Os interesses dos Fornecedores estão fundamentados na necessidade de determinados recursos e habilidades para entregar os produtos previstos no projeto. Eventualmente, os fornecedores poderão ser internos ou externos à organização que está executando o projeto.

Cada um dos representantes das partes interessadas deverá cuidar para que os interesses de seus grupos sejam endereçados durante todo o projeto.

O Comitê Diretor do Projeto deverá ter pelo menos um representante de cada categoria. No caso dos usuários e dos fornecedores, quando houver mais de um, deverão ser definidos os principais envolvidos em cada grupo para que represente os demais membros no Comitê Diretor.

Além das partes interessadas listadas anteriormente pode haver outros grupos que impactam ou são impactados pelo projeto. Além disto, estes grupos podem apoiar ou se opor ao projeto, mesmo que não declaradamente. É extremamente importante identificar estes grupos e garantir que eles estejam dentro da estratégia de comunicação e governança do projeto, e que estejam representados no Comitê Diretor do Projeto.

O nível de sobreposição dos interesses das partes no projeto pode variar conforme o tipo de projeto e o ambiente no qual ele está inserido. Torna-se relevante compreender este ambiente como já prevê o princípio “Adequar ao Ambiente do Projeto” para que esta sobreposição possa ser administrada.

Adicionalmente, pode-se utilizar o termo Cliente para representar os interesses do Negócio e dos Usuários. Esta terminologia é reconhecida pelo PRINCE2®, mas é preciso observar se no contexto do projeto estes interesses realmente são os mesmos ou se precisam ser declarados separadamente.

Estrutura da Equipe de Gerenciamento do Projeto

A equipe de Gerenciamento do Projeto é estruturada em um primeiro nível pelo Comitê Diretor do Projeto que se fundamenta nas principais categorias de partes interessadas definidas pelo PRINCE2®. Os seguintes papéis constituem o Comitê: 
  • Usuários Principais, representando a categoria Usuários;
  • Executivo, representando a categoria Negócios;
  • Fornecedores Principais, representando a categoria chamada de Fornecedores.
Cada um destes grupos representa um conjunto de interesses específicos. Quando houver conflito na sobreposição destes interesses será preciso identificar claramente as responsabilidades para que haja representantes diferentes do mesmo grupo, mas que cuidem individualmente de cada grupo de interesses.

Os papéis citados possuem responsabilidades muito bem definidas e, em alguns casos, estas responsabilidades não podem ser compartilhadas ou delegadas. Por exemplo, não se podem compartilhar os papéis de Gerente do Projeto e de Executivo, ou haver mais de uma pessoa designada para cada um desses papéis. Outro aspecto importante é que a responsabilidade de tomada de decisão do Gerente do Projeto ou do Comitê Diretor do Projeto também não pode ser delegada.

Voce pode obter mais informações no meu livro:


Fique atento na próxima semana publicarei o restante !

Nelson Rosamilha,PMP®,BB®,Prince 2 Practitioner®rosamilha@gmail.comTwitter: nelsonrosamilhahttp://br.linkedin.com/in/rosamilha

Gerenciando Clientes em Projetos - Experiências que não te contam...

Interessados em projetos, de modo prático e pragmático é qualquer pessoa afetada pelo projeto de qualquer forma  isto inclui inclusive sua...